Porto inaugura primeira passadeira tátil

(07-12-2012 )


 

Para Rui Rio, a instação da passadeira na Rua do Infante D. Henrique (mesmo diante das igrejas de S. Francisco e de S. Nicolau), foi uma “forma adequada e nobre” de o Porto assinalar o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência.

 

É particularmente dedicada aos deficientes visuais a passadeira ontem apresentada como uma solução inovadora. A sua presença é assinalada nos passeios - dos dois lados da rua, naturalmente - pelo relevo de uma série de barras metálicas incrustadas no cimento, de forma prependicular à estrada. Ao lado deste quadrado com bandas em relevo, e imediatamente antes da rampa que também facilita a descida-subida do passeio aos cidadãos que se deslocam em cadeira de rodas, há outro elemento “tátil” instalado em nome da segurança dos invisuais. É uma faixa metálica, paralela à estrada e tão larga quanto a passadeira, cujos pequenos círculos em relevo servem para avisar quem não vê que o passeio acaba ali e que estão prestes a descer para a faixa de rodagem.

 

A solução, porventura, ainda carece de alguma afinação. No final da cerimónia, Assunção Velho, tesoureira da delegação do Porto da Acapo (Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal), notava que os elementos metálicos de relevo no pavimento deviam ocupar toda a largura do passeio, e não apenas a metade mais próxima do lancil. Isto, porque os invisuais tendem a caminhar junto às paredes, seu ponto de referência, afastados da faixa de rodagem. “Eu não teria dado por ela”, confessou, referindo-se à passadeira. Mas não deixou de elogiar o esforço da Câmara do Porto.

 

Antes, Rui Rio comentara que a passadeira tátil não é barata, fica por 500 euros de cada lado da rua, mas ressalvou que esta despesa é daquelas que se justificam, em nome da mobilidade das pessoas com deficiência. “O Porto é um marco, já que fomos os primeiros a ter um provedor municipal para os cidadãos com deficiência, mas também, enquanto presidente da Junta Metropolitana, cuidei que também houvesse um provedor metropolitano”, disse o autarca. E prometeu que estas novas passadeiras serão gradualmente instaladas no resto da cidade, dando prioridade às zonas com mais atravessamento de peões, sendo que a área onde decorrem as obras de reabilitação do chamado Eixo Mouzinho-Flores já será equipada com passadeiras táteis.